Tema 06 – Cursos Saturados

Antes do tema seis, a equipe Conhecitando quer agradecer a todos que vem acompanhando o blog e deixando sua opinião sobre o mesmo, isso é muito importante! Tenham certeza de que levamos muito a sério! Bom, nessa semana, o tema repassado foi sobre a saturação de alguns cursos superiores. Assim, desenvolvemos um post com inúmeras informações e dicas sobre o assunto visando ajudá-los. “Let’s go”!

Curso Saturado, e agora?

Eles são os mais procurados pelos vestibulandos, fazem sucesso entre a galera, causam suspiros, noites em claro, queda de cabelo. Sim, são os famosos CURSOS SATURADOS. Atraídos pela simpatia, ou mesmo pela idéia dos elevados salários que trazem as tradicionais carreiras, muitos alunos passam anos em cursinhos, se preparando para a conquista de uma vaga tão idealizada. Quando chegam ao mercado de trabalho, porém, dão de cara com o fantasma da SATURAÇÃO, onde encontram tantos outros profissionais com o mesmo sonho, sendo que muitos deles acabam o deixando morrer por aí mesmo.

Assim, sabemos que quem faz a faculdade é o aluno, e que bons profissionais sempre encontram seu lugar no mercado, mas isso não é garantia de moleza galera! Há muita gente, procurando poucas vagas e isso faz com que a situação fique cada vez mais acirrada, onde as oportunidades de trabalho estão longe das grandes capitais e as remunerações muito abaixo das esperadas pelos estudantes, que se esforçaram tanto para finalizar a faculdade com êxito.

E é isso que na maioria das vezes nos frustra. Já não é tarefa fácil escolher uma profissão, não é como ir a uma loja escolher um tênis. É o nosso futuro, temos que saber a responsabilidade disso. Fica mais difícil ainda, quando além de nos preocuparmos com isso, temos que ficar ligados nas exigências do mercado e no quão complicado será conseguir um emprego.

Mais saturado do que qualquer curso, estamos nós adolescentes, ouvindo sempre a mesma ladainha: “Não faça essa faculdade, vai ser difícil encontrar trabalho!” “Não faça isso, está saturado demais!” “Essa faculdade não!” “Esse curso também não é uma boa ideia!” Dessa maneira, mesmo com a pressão, cabe somente a nós termos maturidade suficiente para fazer uma boa escolha.

O que diferencia uma pessoa da outra, é a vontade de trabalhar, a capacidade de se expressar e principalmente o convívio social, pois o saber lidar com grupos pressupõe a nossa maturidade e o nosso talento. Principalmente deve-se estar envolvido com o trabalho, e nada mais fácil para fazer isso, do que curtir realmente o que se faz.

Dessa forma, não se assuste! Se você tem um sonho, corra atrás dele, busque, tenha vontade em superar e chutar todas as pedras no caminho. Sempre haverá espaço para um grande sonho, para um bom profissional, para o talento, para VOCÊ!

Para sabermos como andam as cabeças dos vestibulandos 2010, decidimos realizar uma pequena entrevista com alguns alunos do Terceirão SENAI Concórdia, para termos suas opiniões sobre a saturação de alguns cursos. Veja!

Ariel Dalla Costa:A escolha por uma profissão nem sempre é dada. As pessoas não vêem totalmente o mercado, mas sim do que gostam para depois seguir em uma área. Acredito que um curso saturado no mercado de trabalho pode ser boa opção. Há varias pessoas que trabalham no meio, mas sempre há as que se destacam, ou seja, por mais que o mercado esteja saturado e difícil, quem o ganhará serão os melhores profissionais. O problema é quando não se consegue destaque, e justamente acaba-se não conseguindo emprego na área, o que ás vezes leva o estudante a mudar de curso e posteriormente de área. Pretendo seguir na área de TI, na área de desenvolvimento de software, mais especificadamente no curso de ciências da computação, acredito que é uma área muito interessante, e não há saturação de profissionais, apesar de ser uma área onde existem muitas pessoas que atuem sem capacitação, faltarão muitas pessoas com conhecimentos técnicos na área. O Nosso país vem crescendo nesse segmento, e agora é a hora da “explosão do assunto“.

Gustavo Grando: “Bom, eu penso que se a pessoa gosta de um curso, mas sabe que ele está saturado não deve desistir só porque não irá arranjar emprego facilmente, porém deve estar ciente de que terá que se esforçar para se tornar o melhor naquilo que faz, porque haverá pessoas na sua frente que continuam se atualizando e estudando cada dia mais. Eu irei prestar vestibular para Ciências Econômicas, pois eu me identifico muito com o curso, em função de gostar de números”.

Queríamos saber também a opinião de quem já passou por isso, dessa forma fizemos o mesmo questionamento a Bernardo, que cursa Design Industrial na Univali e para Jordana, aluna do curso de Administração da UNC – Concórdia. Confira o que eles responderam!

Bernardo: “Hoje em dia a galera faz faculdade para não ficar parada, é como se fosse um pós-terceirão, muitos fazem um determinado curso sem mesmo saber aonde o que vai aprender será aplicado. Seguem muito a opinião dos amigos, isso não é interessante. Eu mesmo pensei muito nisso antes de fazer o meu curso, Design Industrial, percebi que é uma área que está ganhando destaque e que não possui muitos estudantes. É importante pensar antes de se fazer algum curso para que mais tarde ele não fique apenas no currículo. Vejo que muitos, não estão realmente preparados para ingressar na faculdade, tanto é, que quando a terminam não sabem o que lhes foi passado, ou seja, não serão legítimos profissionais para a área que cursaram”.

Jordana: “Apesar da saturação de muitos cursos, creio que as pessoas não devem apenas pensar sobre a facilidade ou dificuldade de conseguir emprego, pois isso depende da capacidade de cada um, se a pessoa tem potencial na área escolhida ela conseguirá trabalho e um futuro garantido”. 

Em Concórdia, existem inúmeras faculdades e cursos, porém é notável a grande adesão dos estudantes para áreas como Direito e Administração. Isso ocorre muitas vezes, pela tradição da cidade, onde existem muitos escritórios de advocacia e grande foco no comércio. Dessa forma, resolvemos saber a opinião de quem entende do assunto. Por isso, batemos um papo com Adriano Vilbert, ele é gerente administrativo da Copérdia (Cooperativa de Produção e Consumo Concórdia) e também professor da disciplina de Economia na FACC (Faculdade Concórdia).

 

Mais populares e menos promissores?

 Essa é uma grande conclusão em relação às estatísticas globais. Infelizmente hoje, os cursos com mais alunos inscritos são também aqueles que apresentam as maiores taxas de desemprego. De acordo com pesquisas, o curso de Gestão Empresarial está no topo da lista dos mais procurados e também daqueles que apresenta o maior número de desempregados. Seguem na lista cursos como Direito, Enfermagem Contabilidade e até mesmo Ciências Sociais. Se pretender seguir para o lado das engenharias, saiba que atualmente a aposta já não é das mais seguras. Porém é no ramo da Química que as taxas são totalmente significativas. Dessa maneira, diploma não é garantia de emprego certo, além do papel o estudante precisa se destacar, colocar uma pitada do seu jeito no que for fazer e acima de tudo ser criativo, dinâmico e inventar novas formas e meios para realizar seu trabalho. Inove!

Confira a preferência dos estudantes nos cursos superiores por áreas de conhecimento!

Rede de Contatos? O que é isso?

Já estamos cansados de saber da imensa dificuldade que é encontrar um emprego atualmente. Além da qualificação profissional, da dedicação e do talento, existem outros meios que podem nos fornecer uma “ajudinha” nessa hora. Certamente a maioria dos adolescentes conhece e possui as redes sociais. Orkut, MSN, Facebook e Twitter fazem parte da nossa rotina não é mesmo? Os utilizamos para conversar, expor idéias, fazer amizades. As redes de contatos funcionam praticamente da mesma forma. Você entra no site, cria sua conta e adiciona seus contatos, só que dessa vez eles são profissionais. Muitas oportunidades de trabalho podem surgir através de outras pessoas que você conhece. Essas relações estabelecem a chamada “Rede de Contatos” que você  utiliza para facilitar sua colocação no mercado.

De acordo com pesquisas, cerca de 70% das oportunidades de emprego são preenchidas graças às indicações de conhecidos que fazem parte dessa mesma rede. Quando você possui uma rede dessas, pode ficar sabendo de vagas não divulgadas pela imprensa ou até mesmo se aproximar das pessoas que decidem as contratações. Apesar dos empecilhos da empregabilidade hoje, a “networktem se mostrado muito eficiente, possibilitando novas amizades, novas parcerias e acima de tudo a apresentação para o mundo de suas habilidades. É uma espécie de casa virtual e você também pode construir a sua!

Navegando na internet, a equipe Conhecitando encontrou uma charge sobre um dos cursos mais saturados atualmente, DIREITO. Ela mostra como muitas vezes a não preparação dos estudantes ao entrar na faculdade tem muitos reflexos na formação. Assim, não tenha pressa para ingressar em um curso superior, não se apavore se você ainda não sabe o que fazer, espere o tempo necessário para saber realmente a sua vocação ou seus gostos e dessa forma se torne na melhor hora, o melhor profissional!

Dicas para não errar no momento de escolher o curso superior!

Nesse link, Gutemberg de Macedo, colunista do site emprego certo, aponta aspectos importantes que devem ser levados em conta antes da escolha profissional. Vale a pena conferir!

http://empregocerto.uol.com.br/info/dicas/2010/04/05/ult7031u453.html#rmcl

Já não diz o ditado “Quem canta seus males espanta”? Então, aproveitem a nossa paródia da música Levo Comigo – Restart. Produção dos meninos da equipe Conhecitando!

“Eu quis escolher uma profissão

Que pudesse me fazer sentir

E pra mostrar que o meu coração

Está feliz”.

“Com uma bela melodia pra dizer

O que não consigo explicar”.

“Com uma bela melodia pra vocês

Com o objetivo de mostrar”.

“E dizer que é o emprego

Que pode me mudar

Que pode me ajudar”.

“E eu vou me dedicar, não importa saturar!

Não importa saturar, é isso que eu quero!”

Link da música original: http://www.youtube.com/watch?v=1pGh-wLu1pA 

Para exemplificar melhor todos os tópicos do blog, a equipe Conhecitando desenvolveu uma pequena história.

História de todos!

Desde a segunda série do ensino fundamental eles brincavam juntos. Maria, Ana, Egon, Ricardo e Gustavo eram vizinhos e estudavam na mesma sala. Maria e Ana, as únicas meninas do grupinho sempre se destacaram. Eram bonitas, inteligentes, e cada uma com o seu jeitinho, ia conquistando pessoas e trilhando caminhos diferentes. Os meninos também tinham gostos bem alterados, mas ainda só tinham cabeça para o futebol, conforme cresciam olhavam para as meninas, vendo nelas um exemplo e até que enfim começaram a se preocupar com uma profissão, mas isso a gente já vai contar.

Ana, nas brincadeiras do grupo, sempre queria ser a dentista, ela cuidava dos pacientes, atendia, fazia de conta que cuidava da boca dos amigos, e estava sempre, longe das brincadeiras, cuidando com a higiene do seu grupo:

Ricardo, você passou o fio dental ontem à noite? Hmmmm! Sei!

Maria era um pouco indecisa ao brincar. Na verdade, fazia de tudo, mas nunca queria ser uma dentista, uma médica, ou coisa assim.

Os meninos eram certeiros, só queriam jogar futebol! Mas quando as meninas os faziam brincar com elas, Ricardo sempre defendia seus interesses, tinha porque tinha que ser o que ele queria, sempre ganhava! Gustavo sempre administrava as situações. Quando tinham brigas, onde Ricardo sempre defendia veemente seu lado, era Gustavo quem amenizava a situação e achava uma solução para contentar a todos. Enquanto tudo isso acontecia, Maria não estava nem aí, deixava o problema ser resolvido e ficava brincando com seu cachorrinho. Egon, ah, o Egon, ele era parecido com Maria, tanto fazia para ele, só queria brincar.

Quando chegaram ao primeiro ano do ensino médio, Gustavo e Ana passaram a fazer alguns cursinhos, o que fez com que conhecessem mais pessoas e fizessem novas amizades. No segundo ano do ensino médio, começou a ficar ainda mais claro o gosto de cada um. No terceiro ano então, estavam prontos para o vestibular. Mas espera aí, Egon e Maria não tinham tanta certeza não! Eram sempre eles os indecisos na brincadeira e agora, também não tinham certeza do que queriam como profissão.

Na boca do vestibular, Maria percebeu que ficar sempre com o seu cachorro lhe mostrou uma porta aberta. Zootecnia. Foi isso que ela decidiu. Animais! Foi então que Maria notou que gostava mais de animais do que imaginava, mas não queria Veterinária, queria Zootecnia, e foi o que ela fez. Ana, Ricardo e Gustavo estavam certos. Desde pequenos já haviam mostrado tendência ao que iriam fazer, mesmo que seus pais ficassem nos pés lhes dizendo: “Filha, faça isso”, “Amorzinho, não prefere fazer aquilo?” “Mas filho, isso é muito melhor, siga o papai”.

Ana, logicamente, quis fazer Odonto. Ricardo, Direito e Gustavo, Administração, mesmo com a ladainha dos pais. Blá Blá Blá. Nada mudaria a opinião deles. Será? Ei, mas e o Egon? Ah, sempre o Egon. Esse ainda não tinha se decidido. Já tinha pensado em fazer milhares de coisas, seguir a ideia dos pais, fazer medicina, economia, virar professor, arquiteto, engenheiro, mas nada rolava.

Navegando na internet, de bobeira, Egon viu um link que dizia: “Curso superior? Saturado? É isso mesmo que você quer? Existem alternativas.” Foi aí que ele encontrou o seu caminho. Seria Designer Industrial. Sua mãe disse: “O que é isso? De onde você tirou essa profissão menino?”. Mas ele encontrou um curso que não era saturado, novo no mercado e que acima de tudo era a sua cara. Todos do grupo estavam finalmente encaminhados em uma faculdade, dessa vez não na mesma sala, claro, e infelizmente, não na mesma faculdade, mas eles ainda eram vizinhos!

Ana, Ricardo e Gustavo ainda sentiam muita pressão pelo lado de seus pais que viviam dizendo que a profissão da qual eles queriam seguir estava repleta de profissionais no mercado sem emprego, além da dificuldade que já haviam passado em um vestibular com tantos concorrentes. Ana pensou muito em desistir, mas seus amigos não deixaram, disseram que mesmo sendo uma profissão que traria dificuldades na busca do emprego, não seria algo impossível, bastava a ela se dedicar.

Dedicação! Foi o que todos tiveram durante todo o período como universitários. Quando deram de cara com o mercado de trabalho, nem todos estavam prontos. Gustavo, o administrador, já fazia estágio desde o seu terceiro ano de curso. Ele possuía uma grande network. Assim já estava empregado e muito bem! Estava sempre conversando com profissionais da área dos quais tinha virado amigo através de um site e conhecendo cada vez mais e mais integrantes desse meio.

Ana não usava essa técnica, mas conseguiu um bom emprego com muito esforço. Depois do curso de Odontologia, conquistou a muito custo um estágio e foi fazendo cursos na sua área, o que a deixou mais bem posicionada no mercado. Ela precisava disso. Como sua mãe estava sempre dizendo durante o início de sua faculdade: “Esta é uma área repleta de profissionais, o mercado está cheio, SATURADO de dentistas”. Ana confirmou o que sua mãe sempre tinha lhe dito, mas provou a ela que com vontade e determinação, quem quer, consegue.

Egon e Maria que tinham escolhido cursos menos procurados pelos candidatos e com o mercado em expansão conseguiram bons empregos e continuaram a se especializar. Estavam crescendo na vida. Egon estava casado e teve que se mudar de cidade. Sete anos após ter terminado seu curso conseguiu um emprego muito melhor e com melhor remuneração também. Estava crescendo, e ele merecia isso.

Maria também estava muito bem. Assim como Gustavo, ela também tinha uma network enorme, além de que seu curso oferecia muitas vagas por não ser uma profissão muito procurada. Maria também se mudou. Seu trabalho novo, depois de alguns anos, lhe ofereceu a oportunidade de aperfeiçoamento no exterior. Ela não deixou passar batido. Ricardo, formado, trabalhando, se esforçando… Espera aí, trabalhando? O Ricardo? Não, não! Ele se esforçou sim. Durante seus anos de faculdade, Ricardo foi muito dedicado, mas desleixou quando percebeu que o mercado de trabalho na sua área estava abarrotado de gente.

Conversando com Gustavo, que tinha feito Administração, e com Ana, dentista, também contaram que viram muitos profissionais de suas áreas a tempo procurando um emprego, assim como a de Ricardo, mas que não era para ele desistir. Ricardo deveria ter ouvido seus amigos. Não investiu em mais algum tipo de especialização e não teve muita dedicação. Gustavo até indicou o site onde havia formado sua network, mas nem pensar. Ricardo ficou desempregado. Procurou por algum emprego que não fosse da sua área em sua cidade, até que, fazendo o que não gostava percebeu que devia tentar novamente. Estava difícil conseguir um emprego como advogado iniciante. Pensou então nas dicas de seus amigos até então conseguir. Não era o que exatamente queria, mas ele podia crescer, assim como seus amigos fizeram.

Tudo depende de dedicação. Seguir um sonho, fazer o que se gosta, conseguir o emprego desejado. As coisas não caem do céu. Você possui inúmeras formas de auxílio, e DEVE usá-las, as networks, por exemplo. O curso que você deseja pode ser o mais saturado do mercado, o com mais candidatos na hora do vestibular, mas nada pode impedir o seu desejo se você estiver dedicado a isso.

Equipe Conhecitando. 

Anúncios
This entry was posted in Sem categoria.

20 comments on “Tema 06 – Cursos Saturados

  1. Vanessa diz:

    Honestamente, de todos os textos foi o que eu mais gostei, além de ser um baita incentivo, colocar que apesar de ter consciencia no que tu vai fazer tu pode consgeuir batalhando pra isso, cada vez melhoor gente. Parabééns!

  2. Wasty diz:

    Achei o post muito interessante, a abordagem do tema foi muita boa. Acredito que exista muita dificuldade na hora da escolha da profissão e que isso irá ajudar quem está na dúvida quanto a que carreira seguir.

  3. Luana diz:

    Gostei do post de hoje, é bem esclarecedor, ajudou bastante para quem ainda tem dúvidas em que curso escolher como eu, sem contar que a paródia ficou bem engraçada háháhá!

  4. Gustavo L diz:

    Muito bom, bem fácil de compreender as dicas são excelentes e a paródia bem show.

  5. Pedro diz:

    muitoo Feraa *—-*

  6. Gustavo Grando diz:

    Otimo galera, bem legal mesmo! Gostei muito da entrevista com Adriano, ajudo a esclarecer varias dúvidas. A parodia dos meninos de certa forma ficou até engraçada! kkkkkkkkkk A historinha é nada mais do que a história de todos nós 😛
    Continuem assim *—*

  7. Daiane diz:

    Muito bom os textos informativos, a paródia e a história achei 10! É dez com estrelinhas. Vocês estão evoluindo a cada postagem, estou orgulhosa. Vocês exploraram o tema de forma inteligente e criativa, de fato o que faz a diferença é quem escolhe, pois há grande número de cursos considerados “saturados”, mas os responsáveis, os dedicados e os criativos sempre terão espaço e destaque em suas profissões.

  8. Jhenifer diz:

    Adorei a historinha *-* AASHAUSHAUSI ótima ideia coleguinhas! 😀 Vocês estão de parabéns, como sempre ;p
    Estou torcendo para vocês.. haha, que orgulho essa minha turma *-* ..boa sorte gente 😀

  9. Rafael diz:

    Olha, entrei pela primeira vez no blog e achei muito interessante. Vocês conseguiram escrever de uma forma dinâmica e atraente. Adorei o trabalho, dá pra perceber claramente o empenho e a decicação. Torço por vocês! Ótimo trabalho!

  10. Leonardo diz:

    Muito bom o post, cada vez melhores eim =D Achei muito interessante a entrevista e a histórinha!
    Continuem assim 😀

  11. ivanilso diz:

    Muito bom meninas, otima visão!

  12. Daniele diz:

    eu adoreeei a historinha *-* eu acho que vocês estão cada vez meelhores, paraabéns! eu gostei muito mesmo, achei que é um ótimo incentivo para as pessoas continuarem com seus objetivos, mesmo que sejam um pouco mais dificeis de ser alcançados e que exijam mais batalha! foi um dos que eu mais gostei e continuem assim! Muito bom mesmo! to torcendo por voocês *-*

  13. Cellitcho diz:

    Muito bom mesmoo, e a paródia fico muito boa ;D
    Continuem assim!

  14. Bianca diz:

    adooooorei, muito bom (:

  15. Deeh diz:

    Ficou muito bom 🙂

  16. Fernanda diz:

    MUITO bom o post! É bom lembrarmos que o importante é a dedicação do aluno e não a quantidade de vagas disponíveis que garantem um bom emprego.
    😀

  17. Ânderson diz:

    Venho acompanhando o blog a algum tempo sempre lendo ótimos post e vendo um ótimo trabalho desta equipe ao qual vem a cada novo post mostrando seu empenho e dedicação. Comentando um pouco sobre este post, realmente existem cursos “saturados” mas quem vai realmente fazer a diferença é o próprio aluno ao qual terá que se destacar depois no mercado de trabalho.

  18. Arlindo diz:

    Gostei do conteúdo escrito, só precisa melhorar o layout porque está poluindo as informações , só uma dica. abraço !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s